Que olhos veem o campo de girassóis?

Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)
Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)

Que olhos veem o campo de girassóis? Os de técnico, há muito recobertos de ferrugem? Os de jornalista, preocupado com o relevante e impactante? Os olhos do poeta, que ao verem se deixam ser vistos nus na poesia?
Os olhos que se demoram à margem da rodovia dos Bandeirantes são os que perderam a pressa da autoestrada. São os que viajam na supressão do tempo. São os que se encontram com outros onde não existe (mas também não falta) espaço.
Os campos de girassóis em Sumaré e Santa Bárbara D’Oeste atraem casais apaixonados, em busca do cenário perfeito no caos da metrópole. São a fuga do cotidiano enfadonho e concreto das cidades hiperconstruídas. São a pausa no tempo e no espaço acelerado da vida digital.

Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)
Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)

São plantações, patrimônio do agronegócio, alma do capitalismo tupiniquim. Mas, invadidos por casais munidos de celulares poderosos, são o país das maravilhas possíveis, a suspensão da tragédia humana.
Quanta contradição num campo de girassóis. Seu destino para a indústria não impede que, capturado pelas lentes modernas da mais alta expressão da cultura digital individualista, exale a aura que nos falta no dia a dia. O campo, ponto turístico por desvio de função, é a beleza sobreposta ao lucro. A rebeldia mais bela.
“Viver é melhor que sonhar”, mas é melhor viver com sonhos.

Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)
Campo de Girassóis (Fotos: Wanderley Garcia e Gloria Cavaggioni / Da Janela)

Não é à toa que seu nome
Está no girassol
Sigo-lhe o dia todo
Nos voos do meu pensar
Nas delicias do meu sentir
Nas loucuras, sonhar

Girassol
Giramundo
Giravida
Giratudo

Giragira
Giragloria

Gira-me por inteiro
Faça-me outro e eu mesmo
Esse sol eu busco,
E se lhe encontro, me faço

Sigo meu sol
Um metro e setenta e cinco de sol
Sigo meu norte
Onde me perco

Girassol
Giramundo
Giravida
Giratudo

Giragira
Giragloria

Deixe um comentário